/Medina tenta o bicampeonato, e Filipe Toledo luta pelo inédito título mundial de surfe no Havaí

Medina tenta o bicampeonato, e Filipe Toledo luta pelo inédito título mundial de surfe no Havaí

Gabriel Medina ou Filipe Toledo? A partir deste sábado, o Brasil vai se dividir na torcida por um dos dois na disputa contra o australiano Julian Wilson pelo título do Circuito Mundial de surfe (CT), que chega ao Havaí para a decisão da temporada 2018 nas ondas de Pipeline. A janela do Pipe Masters vai de 8 a 20 de dezembro, com primeira chamada prevista sempre por volta das 16h (horário de Brasília). Antes do grande evento, uma triagem com 32 participantes definirá os dois surfistas locais convidados para a chave principal.

Primeiro brasileiro campeão do mundo (2014), o líder do ranking Gabriel Medina abriu 4.740 pontos (uma vitória vale 10.000 pontos) de vantagem nas últimas etapas e é o único que depende apenas de si para levar o segundo caneco da sua carreira.

– Sei que não posso vacilar. O Julian e o Filipinho foram dois caras que surfaram muito esse ano. Vai ser difícil, mesmo com a vantagem que estou. Sei que preciso surfar. São caras que se eu der mole, eles vão passar. Vou tentar me concentrar, fazer o meu máximo, manter esse foco que tenho tido nas últimas etapas e não vacilar. Porque eles são perigosos – analisou o campeão mundial de 2014.

Para levar o título sem depender dos outros, Medina precisa chegar à final. Se ficar em terceiro, Filipe Toledo ou Julian Wilson serão campeões se vencerem a etapa. Se Medina for quinto ou pior, o Filipe ou Julian conquistam o título chegando na final em Pipe.

– A expectativa está ótima, tenho treinado bastante por aqui e se a chance aparecer estarei preparado. Não tenho pressão alguma, ainda mais agora, que me tornei caçador – brincou Filipe, que está empatado com Julian na segunda posição do ranking.

As baterias de estreia já estão montadas, restando apenas definir os dois convidados que enfrentarão Medina e Julian na primeira rodada. Os dois sairão de uma competição entre os 32 principais locais e especialistas na onda de Pipeline, que pode acontecer neste sábado.

SLATER E LBELLI RETORNAM. LESIONADO, JOHN E MINEIRINHO ESTÃO FORA 

Maior vencedor da história do Pipe Masters com sete títulos, o americano Kelly Slater já está recuperado de uma lesão no pé direito e vai competir, assim como o brasileiro Caio Ibelli.

Já o bicampeão mundial (2016-17) John John Florence e Adriano de Souza, melhor do mundo e campeão do Pipe Masters em 2015, estão fora da disputa. Local e sempre favorito nas ondas de Pipeline, John John desistiu de última hora por ainda não estar 100% recuperado de uma lesão no joelho. Mineirinho, que recentemente passou por uma cirurgia no joelho, só deve retornar em abril.

BRASILEIROS LUTAM PELA PERMANÊNCIA NA ELITE 

Tanto Caio quanto Kelly e John John estão, nesse momento, fora do grupo dos 22 surfistas que vão permanecer no CT para 2019. Os três disputam as duas vagas que a Liga Mundial (WSL) reserva para surfistas que se lesionaram durante a temporada.

Outros brasileiros vão ter que lutar no mar pela permanência no top 22, como Yago Dora (22º) Tomas Hermes (25º), Ian Gouveia (29º) e Miguel Pupo (36º). Jessé Mendes (29º) já garantiu a classificação para o ano que vem pelo circuito de acesso (QS)./ge

Deixe Sua Mensagem