/A análise do primeiro debate presidencial na Band

A análise do primeiro debate presidencial na Band

Participaram do primeiro debate presidencial da TV Band, os presidenciáveis, Jair Bolsonaro (PSL), Geraldo Alckmin (PSDB), Ciro Gomes, (PDT), Marina Silva (Rede), Álvaro Dias (Podemos), Henrique Meirelles (MDB), Guilherme Boulos (Psol) e Cabo Daciolo (Patriotas).

O debate foi marcado pela falta de ataques diretos entre os candidatos. Jair Bolsonaro tentou passar um imagem de bom moço, equilibrado e preparado para governar o Pais. Meirellles procurou demonstrar que não é o candidato de Temer e até fez questão de dizer que participou do governo Lula, tentando tornar-se mais simpático perante o eleitorado da esquerda. Marina esclareceu que tudo de errado que vem ocorrendo no País é fruto da velha política implantada pelos governos do PT e PSDB. Àlvaro Dias está tentando colar sua imagem na Lava Jato, anunciando que vai convidar Sérgio Moro para ser seu ministro da Justiça. Ciro manteve-se equilibrado para fugir do rótulo de pavio curto. Guilherme Boulos foi mais agressivo e tentou se posicionar como o legítimo representante da esquerda. Cabo Daciolo foi a novidade do debate, uma espécie de reencarnação do antigo Jair Bolsonaro. O ex-presidente Lula não compareceu ao debate porque a Justiça não o liberou da prisão, onde cumpre pena por corrupção e lavagem de dinheiro.

As regras do debate não foram bem elaboradas, uma vez que permitiu o isolamento de uns candidatos e o fortalecimentos daqueles que encontram-se a frente nas pesquisas. Esse tipo de debate privilegia aos primeiros colocados que são sempre os mais acionados, deixando de lado o posicionamento de cada um dos presidenciáveis sobre temas relenvantes que interessam ao povo brasileiro e acaba ferindo o princípio da equidade.

Em relação as propostas apresentadas, Bolsonaro continuou defendendo a expansão de escolas militares e chegou a defender a castração química para estupradores. Alváro Dias focou no combate a corrupção. Marina defendeu um governo étnico e técnico para tirar o País da crise. Ciro disse que vai tirar o nome de milhões de brasileiros do SPC e combateu a reforma trabalhista. Alckmin defendeu a Reforma Trabalhista e se comprometeu em criar o IVA- Imposto de Valor Agregado. Boulos disse que vai enfrentar os banqueiros e mexer no sistema de cobranças do Imposto de Renda. Cabo Daciolo se comprometeu em acabar com a velha política e ampliar o combate a corrupção.

(Reginaldo Silva, Ceará Notícias)

 

 

 

 

Deixe Sua Mensagem