/75 dias após tragédia em Mariana, governo cobra planos de emergência

75 dias após tragédia em Mariana, governo cobra planos de emergência

Ministério determinou que as empresas operadoras de barragens apresentem em 15 dias o comprovante de entrega do Plano de Ação

A mineradoras de todo o País terão 15 dias para comprovar que entregaram cópias físicas do Paebm (Plano de Ação de Emergência de Barragem de Mineração) para as prefeituras e Defesas Civis municipais e estaduais.

 

A determinação é do DNPM (Departamento Nacional de Produção Mineral), ligado ao do Ministério de Minas e Energia, que regulamenta o setor, e foi publicada no “Diário Oficial” de ontem, 75 dias após o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), que deixou 17 mortos e dois desaparecidos.

 

O órgão poderá interditar as barragens (impedir a disposição de rejeitos e o acúmulo de água) das mineradoras que descumprirem o prazo, além de impor sanções administrativas. A portaria nº 526 de 2013 do DNPM, que define o conteúdo dos planos de emergência, exige a entrega de cópias físicas dos estudos.

 

O último Relatório de Segurança de Barragens, de 2014, estudo anual feito pela ANA (Agência Nacional de Águas), diz que apenas 165 barragens (o equivalente a 15%) possuem o Plano de Ação de Emergência, entre 1.129 das consideradas de risco, que exigem o documento. O plano de emergência da barragem de Fundão, que se rompeu deixando 17 mortos e dois desaparecidos, não previa uma estratégia para alertar diretamente os moradores de Bento Rodrigues.

 

O documento dizia que “a responsabilidade por avisar e remover as pessoas em risco iminente é da Defesa Civil”. Isso contraria portaria de 2013 do DNPM, que diz que “cabe ao empreendedor alertar a população potencialmente afetada” na “região abaixo da barragem onde não há tempo para intervenção das autoridades”.

 

Na última terça, 12, a empresa entregou um estudo de simulação de rompimento das barragens de Germano e Santarém, conforme a Justiça havia determinado, ainda que com um dia de atraso. O estudo, porém, foi considerado incompleto pelo Ministério Público por não especificar que medidas adotaria em caso de novo rompimento – a própria mineradora admitiu o fato.

 

Fiscalização

O governo federal vai fiscalizar in loco, uma a uma, as 220 barragens de rejeitos das mineradoras. O trabalho, que se inicia 75 dias após o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), deverá ser feito até o final de abril. A reportagem apurou que, segundo o governo, algumas mineradoras não estão seguindo os planos de ação de emergência e nem as normas de segurança exigidas. (da agência Folhapress)

 

Deixe Sua Mensagem